domingo, 28 de outubro de 2012

Tiracolo Deb Zig-zag - esgotada




Esgotada

Mais uma do modelo tiracolo Deb, modelo super prático, pequena enganadora; pois leva de tudo.



Combinação de fake com uma malha com desenhos em zig-zag em beges e dourado, muito atual.




Fecha com botão imantado, alça reforçada, forrada e estruturada com manta de algodão.




Detalhe do arremate: fita de pompom!



Pronta para ganhar as ruas.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Áustria: Lago de Klagenfurt



Saímos de Veneza bem cedo após o café da manhã, rumo a Áustria.


Dia ensolarado, paisagem montanhosa e estrada tranquila.


mapa da internet
 Antes de chegarmos a Salzburgo paramos no Lago de Klagenfurt, lugar lindo!

belas paisagens pelo caminho


fotinhos com o Lago ao fundo.


Com 90 mil habitantes, Klagenfurt é uma das mais importantes cidades  do Kärnten. A sua bela arquitetura (que eles chamam a Rosa do Lago Wörhtersee) e o seu lago idílico a transformaram em uma cidade  turística. Possui mais de 800 anos de história.


Tem um paradouro, com café e lanches, onde sentamos e ficamos olhando a paisagem enquanto tomavamos um suco.



Créditos


As fotos são de Sonia Oliveira e Lu Costa, jun.2012.

Consulta de dados sobre Klagenfurt foram  do Guia criativo para o viajante independente na Europa, Zizo Asnis.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Sling Bag Garden Walk - esgotada


Esgotada

Modelo novo!!!! Super bag,  grande para levar de tudo!



Toda duplada com manta de algodão, o que deixa a bolsa mais forte e estruturada. 
Tem bolso lateral e interno. 




Alça que pode ser regulada, basta atar como quiser. Fecha com botão imantado.



O tecido é outra história: importado: Weekends by Erin McMorris, Garden Walk.  Lindo demais!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Deixando a Itália



O nosso city tour foi prejudicado pela chuva (e eu gripada andando pela chuva). A guia apurou e nos deixou na Praça de São Marcos abaixo d'água! Mais antibiótico e antitérmico e chuva, ótima combinação. Aproveitamos que a chuva acabou com a fila para entrar na Basílica e fizemos uma visita tranquila.Acendi velas e pedi pela família, fiz isto em todas as igrejas que visitamos, gastei muitos euros em velas (claro tem de pagar as velas e os preços mudam conforme a importância do templo)...

Mas deu para caminhar pelas ruelas até o almoço e pela tarde a minha irmã e eu fizemos um passeio de vaporetto, a chuva foi embora e o tempo estava claro e quente...ver a cidade assim de longe é muito agradável: os Palazzos, igrejas, museus e bairros...Mas quando estavamos bem longe da margem caiu outra chuvada e o mar ficou bem violento, com ondas altas, molhando quem estava sentado na beira do barco. Foi um passeio muito bonito, com muito sol, calor e chuva. Valeu.
Quando chegamos ao hotel estava no noticiário da televisão que Veneza tinha enfrentado um tufão/tornado (?) pela manhã, nós não percebemos nada, só a chuva.




Ficamos hospedados em Mestre, no Hotel Laguna Palace, Via Ancora, 2



O hotel é composto por dois edifícios, ligados entre si por um telhado de vidro plano e transparente, que é o maior da Europa. A marina foi criada entre os dois edifícios do hotel, que se conecta com todos os canais, permitindo chegar à cidade de Veneza.  Muito chic!

Laguna Restaurante, muito bom.

Restaurante de comida  e vinhos italianos





O Hotel Laguna Palace tem  uma localização privilegiada, a 15 minutos do Aeroporto Marco Pólo, a 5 minutos da Estação Ferroviária de Mestre e 10 minutos de Veneza. 

Marina para os barcos dos hospedes.


 Modernoso e amplo

Recepção

Aptos confortáveis

O nosso apartamento com vista para a marina 
Apartamento com vista para a marina privada, localizado no prédio principal com  duas camas individuais, e com  a mais recente tecnologia e design de interior moderno, banheiro de mármore, TV, minibar, cofre, WI-FI. Adoramos o hotel.




Corredores para os apartamentos


sábado, 20 de outubro de 2012

Venezia

Nosso barco na chegada a Veneza

Veneza, com 270 mil habitantes, é uma das mais belas cidades do mundo, e também uma das mais turísticas.Foi construída sobre uma série de bancos de lama baixos entre as águas do Adriático sujeitas a marés e regularmente atingidas por enchentes, mas ela sobrevive contra todas as probabilidades.


Navios de cruzeiro chegando a Veneza

A única estrada para Veneza é a S11, a partir de Mestre, que conduz até o Tronchetto e a Piazzale Roma, onde há estacionamentos e terminais de ônibus. Os trens chegam à estação Santa Lucia, no Canal Grande.





A melhor forma de percorrer o Canal Grande, que serpenteia pelo centro da cidade, é pegar um vaporetto. Várias linhas percorrem o canal. Os palácios vistos nas suas margens foram construídos ao longo de 5 séculos e compõem a história da cidade. Quase todos levam o nome de alguma grande família veneziana do passado. 

Vendedores de tudo, aguardam a chegada dos barcos




Em Veneza se anda a pé ou de barco. Carros não entram. Os vaporettos são as embarcações que servem como transporte público, possuem distintas linhas e trajetos, são ônibus fluviais.



As gôndolas de Veneza

A gôndola faz parte da vida veneziana desde o século 11. Com casco delgado e parte inferior achatada, é perfeitamente adaptada aos canais estreitos e rasos da cidade. Em 1562, foi decretado que todas as gôndolas deveriam ser pretas para que ninguém ostentasse riqueza com elas. Em ocasiões especiais, são decoradas com flores. Hoje os passeios de gôndola são caros e em geral feitos só por turistas. É para os românticos ...ou em lua-de-mel!!!!







Veneza se divide em 6 antigos distritos administrativos ou sestieriCannaregio, Castello, San Marco, Dorsoduro, San Polo e Santa Croce. Dá para ir a pé a todos eles e tomar um vaporetti até qualquer das ilhas.





Torre dell'Orologio, século 15.


A torre do relógio foi construída no fim do século 15 e fica ao lado norte da Piazza di San Marco. O mostrador do relógio, esmaltado em dourado e azul, tem representações das fases da lua e dos signos do zodíaco, e foi projetado pensando em marinheiros. No alto duas enormes figuras de bronze tocam o sino de hora em hora.




A Piazza San Marco é disputada por pombas e turistas, seu espaço contrasta com as estreitas ruas de Veneza. Em toda a sua longa história testemunhou cortejos, procissões, encontros políticos e incontáveis carnavais. Cercada por museus e prédios históricos, na qual se destacam a Basilica di San Marco e a Torre dell'Orologio.




Basilica di San Marco

A construção da Basílica teve início no século 9, para guardar o corpo de São Marcos, um dos quatro evangelistas. Seu estilo bizantino reflete a história de Veneza, que foi a primeira ligação entre o Ocidente e o Oriente. A fachada e o interior estão repletos de mosaicos. Entrada de 3 euros para visitar o Tesoro della Basilica e mais 2 euros para ver o Pala d'Oro (grande altar de ouro, decorado com prata e pedras preciosas).


Porta della Carta
Este portão gótico do século 15 já foi a principal entrada do Palazzo Ducale. A partir dele, uma passagem abobadada conduz ao Arco Foscari e ao pátio interno do palazzo.


Ponte del Sospiri

A Ponte del Sospiri (1600) foi construída para unir o Palazzo Ducale e a prisão local. Conta a lenda que os prisioneiros condenados à morte ao passarem por ela, suspiravam ao pensar que aquela seria a última vez que veriam a luz do dia. Hoje, os suspiros são dos turistas!


Palazzo Ducale


O Palácio dos Doges foi a residencia oficial de duques,  sede do governo e prisão. Fica ao lado da Basílica, foi reconstruído no século 14 após um incêndio. Possui elegantes arcadas góticas. A entrada custa 16 euros e 10 para estudantes.

Palazzo Ducale (ou Palácio dos Doges)


Apesar das fachadas desbotadas e fundações desgastadas pela maré, o canal continua a ser "a rua mais bela do mundo".



Contemplar Veneza, as suas ruazinhas que mais parecem becos e os inúmeros canais da cidade é um programa imperdível
.

Difícil não parar numa das pequenas pontes-escadarias ou simplesmente ficar de bobeira na Piazza di San Marco. Mais difícil ainda é não se perder no labirinto que é a cidade. Mas nada melhor do que se perder nesta linda cidade.







Veneza é única. São 117 ilhotas e mais uma centena de ruelas , becos e canais.










Veneza é isso, um labirinto que pode levar mais tempo do que se imagina para ser decifrado, com ruas sumindo do mapa e becos aparecendo, onde a regra é "não voltar atrás". Perdeu-se? Continue caminhando até encontrar uma placa de orientação. Ou pergunte para alguém!










O melhor mesmo é caminhar, e aqui é possível, mais do que em outros lugares, não pelas longas distancias, mas porque deverá se perder mesmo. Mais fácil do que achar as ruas talvez seja localizar os campos, espaços abertos, largos, como praças ( praças italianas, sem jardins) para onde todas as vias desembocam.



Créditos


As fotos são de Sonia Oliveira e Lu Costa, jun.2012.

Consulta de dados sobre Veneza foram retirados do Guia visual: Itália, Folha de São Paulo, e do Guia criativo para o viajante independente na Europa, Zizo Asnis.