domingo, 27 de junho de 2010

Venezia respira romance.





Saímos de Pádua de ônibus até alcançar Venezia e passarmos para o barco. O dia estava maravilhoso, com muito sol.



A cidade de Venezia é famosa e única pela sua estrutura que se estende sobre mais ou menos 118 ilhas, separadas por numerosos canais e ligadas entre elas por mais de 400 pontes. O núcleo primitivo da cidade teve início na zona de Rialto.




Durante a idade média Veneza foi uma importantíssima cidade mercantil, expandindo seu poder e influência por todo o Mediterrâneo até Constantinopla (atual Istambul). Isso pode ser percebido pela riqueza das artes e na arquitetura local.




Venezia é uma cidade de sonho, nascida das águas, luminosa e esplêndida. Já do Grande Canal se tem uma vista da cidade com uma sequência de belos palácios e de casas pitorescas.





O Grande Canal é a principal artéria da cidade, e é muito movimentado.





Venezia é ligada a terra firme através das ligações marítimas (barco, vaporeto, gondola), por duas pontes que passam sobre a laguna, por uma ferrovia com linha dupla e por uma auto-estrada que ladeia a ferrovia.






O Grande Canal tem uma largura que varia de 30 a 70 metros e uma profundidade de cerca de 5 metros.






Tem a forma de um S invertido e divide a cidade em duas.






Fotos tiradas do barco, no Grande Canal, ou seja a cidade vista do mar.










Chegando...










Já em terra.








As "rias" que passam entre as casas e os palácios de cada bairro, tem no máximo uma largura de 4 a 5 metros e transitam por elas apenas as gôndolas.




Junto a "rias" encontram-se as ruas, pequenas e tortuosas, desembocam em espaços abertos, os chamados "campos"(piazzetas), ou em "pátios" assim chamados porque , em geral, não tem saídas.







Os nomes dos bairros são os seguintes: S.Marco, Castelo, Canaregio, S. Cruz, S. Paulo e Dorsoduro.











A famosa Ponte dos Suspiros foi construída para unir o palácio ducal à prisão local e recebeu esse nome não por ter sido um local romântico, mas sim pelos suspiros dos criminosos que eram mantidos prisioneiros até o momento de sua execução. Atualmente está sendo restaurada, daí os tapumes com marketing do patrocinador da obra.





Gondola vista da Ponte dos Suspiros.





Detalhe de coluna na Praça S. Marco,





Porta da Carta, com a estátua do Doge Francisco Faschari diante do Leão Alado. Fachada do Palácio dos Doges, que dá para a Praça de S. Marco.





Biblioteca de São Marco está num prédio considerado a obra prima arquitetonica de Sansovino.






Basílica de S. Marco é muito antiga, 828. Foi construída para guardar os restos do evangelista S. Marco, padroeiro da cidade.





A Basílica de São Marcos foi construída ao longo de séculos. Para a sua construção foram trazidos mármores e adornos de diversas partes do mundo.


O mosaico abaixo mostra como o corpo de S. Marco foi roubado de Alexandria, escondido num lote de carne suína. As relíquias de santos eram um tesouro muitíssimo valorizado na época.




Os comerciantes que chegavam a Veneza eram obrigados por lei a trazerem presentes para adornar a Basílica .





A fachada tem 51.80 metros, ocupando um lado da praça.






Campanário de S. Marco foi construído em várias fases.





Em 14 de julho de 1902, desmoronou totalmente. Foi reconstruído no mesmo lugar e como era originalmente e inaugurado em 1912.





Base do Campanário que sustenta o seu peso.





A Torre do Relógio foi construída por Mauro Coducci entre 1496 e 1499. Em cima da Torre tem um terraço onde está a Campana e duas figuras chamadas de os Mouros, marca as horas. Mais abaixo aparece o Leão Alado, símbolo de Venice.



O relógio indica ao mesmo tempo: as estações, a passagem do Sol de uma para outra constelação
as horas e as fases da lua.



Praça S. Marco. Antigamente existia neste local um pequeno mercado de alimentos e só em 1536 é que se transformou na praça como se vê hoje. Está sempre cheia de turistas, mesmo quando alaga.





As duas colunas: de S. Teodoro e a do Leão de S. Marco, são em granito vermelho e foram trazidas do Oriente em 1125. Neste local aconteciam as execuções dos condenados, entre as duas colunas. Os venezianos não passam entre as duas colunas, são superticiosos.




A cidade das pontes.






Chama a atenção dos visitantes os palácios, as casas humildes, as piazzettas, a penumbra das rias, um jardim roubado à invasão da água, um portão escurecido e corroído...























Pálacio dos Doges, Praça de S. Marco.





Mais pontes...





Olhem o nosso motorista da gondola!!!!! Foi escolhido a dedo, o mais bonito de todos, porém (ou talvez por isso) muito sério. Alguns até cantam.





Minha mãe e eu passeando pelas rias de Venecia. Vale a pena fazer este passeio.






Quando se sobe na gondola se ganha uma garrafa de pro seco bem gelada e copos de plástico, bem copos de plástico...acabou o romantismo!!!





Ponte de Rialto (1592) é a mais antiga das 3 pontes que atravessam o Canal. Tem 28 metros de comprimento, aqui é onde o Canal é mais estreito. Na Ponte tem várias lojas e no centro tem duas varandas panoramicas sobre o Grande Canal, local muito frequentado por fotográfos, turistas e pintores.





Estacionamento de barcos em frente ao Palácio Farsetti. Este Palácio é em estilo veneto-bizantino, século XII.





Movimentção de embarque e desembarque das gondolas, tem filas aguardando para fazer o passeio.




Já que os maridos não foram... se brinda com as companheiras de aventura.



Mais fotos.












Fim de tarde nos bares e cafeterias ao redor da Praça de S. Marco. Olha a elegancia do moço!





Neste tem música ao vivo. Música clássica, maravilhosa!!!






Margem dos Escravos que se estende ao longo de toda a Bacia de S. Marco.









Os africanos guardando as bolsas falsificadas de grandes grifes...estão sempre fugindo da polícia, são rápidos nas negociações e nas corridas...